Jornal e Revista da Fruta recebem homenagem pelos 20 anos no evento

Fusão entre Envase Brasil e Embala Sul terá eventos anuais no Sul e Nordeste

Anúncio foi feito pelo presidente da Envase, Vicente Puerta, durante cerimônia de abertura realizada na noite 3a, 24 de abril, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves


A cada dois anos, a indústria de bebidas e alimentos se encontra na Envase Brasil em busca de novas soluções. Ao completar 20 anos, a feira que construiu sua trajetória acompanhando as mudanças dos setores de alimentos e bebidas, confirma sua fusão com a Embala Sul, lançando uma agenda que passa a ser anual. Em anos pares, a feira será realizada em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, em anos ímpares o evento acontecerá em Pernambuco, no Nordeste brasileiro. O anúncio foi feito presidente da Envase Brasil, Vicente Puerta, em seu discurso de abertura na noite desta terça-feira, 24, na presença de cerca de 200 convidados, entre autoridades nacionais e expositores.

A Envase Brasil | Embala Nordeste já tem data confirmada. O evento será realizado de 13 a 16 de agosto no Centro de Convenções de Pernambuco. O evento segue em 2020 como Envase Brasil | Embala Sul, na edição Serra Gaúcha. Ao somar forças, as feiras se aproximam dos setores produtivos de cada região, apresentando novidades anualmente. Junto com Puerta, o diretor Executivo da Embala Sul 2018, Luís Fernando de Oliveira Pereira, recepcionaram os convidados e conversaram com expositores.

Puerta também aproveitou para agradecer os expositores, muitos deles que acompanham a feira desde o início. "A Envase foi gerada no ventre do setor vinícola. A feira cresceu e se desenvolveu e ao longo dessas duas décadas foi se moldando para ajudar as cadeias produtivas de alimentos e bebidas a crescer", destacou. A solenidade foi amplamente prestigiada por lideranças nacionais.

Prestígio nacional - O presidente da Associação Brasileira de Indústria de Água Mineral (Abinam), Carlos Alberto Lancia, disse que vinho e água caminham juntos. "As duas bebidas são bíblicas. Há 25 anos, água mineral era receitada e encontrada em farmácias. Ela deixou de ser remédio e virou alimento. Hoje, consumimos mais água que refrigerante. São 16 bilhões de litros por ano só no Brasil", salientou.

Rodrigo Ferraro, presidente da Associação Gaúcha de Microcervejarias (AGM) e representando a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), disse que apenas 0,9% do mercado é ocupado pelas cervejas artesanais. "Nosso mercado é promissor. Temos muito para crescer. O espaço que a Envase Brasil está dando para o setor é fundamental. Este é o quarto ano que participo e posso ver que a cerveja artesanal ocupa um espaço bem maior que em edições anteriores". Atualmente, o Brasil possui cerca de 1,5 mil cervejarias registradas.  Outro setor que conquistou seu espaço na feira é o azeite de oliva. Para o presidente do Instituto Brasileiro de Olivicultura (IbraOliva), Eudes Romano Marchetti, a parceria já está confirmada para a próxima edição. "Provavelmente nosso instituto seja o mais jovem, mas já é representativo. Nosso trabalho já tem o reconhecimento através de premiações internacionais", destacou. Já são 35 prêmios. Dos 7 mil hectares cultivados no Brasil, 3,5 mil são no Rio Grande do Sul, somando 20 marcas produzidas em 13 municípios gaúchos.

O presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil), Wlademir Pedro Dall'Bosco, garantiu que o melhor leite do Brasil é o produzido no Rio Grande do Sul. "De tudo o que produzimos, 60% é exportado para outros estados. Nossa qualidade é incomparável e aqui estamos construindo importantes parcerias e realizando excelentes negócios. Este é o nosso terceiro ano", enfatizou.

Representando o prefeito de Bento Gonçalves, Sílvio Pasin, secretário de Desenvolvimento Econômico, comemorou a história de sucesso da Envase Brasil e o perfil da cidade para grandes eventos. "A Envase é uma das quase 30 feiras que este parque sediará somente este ano. Que sejam selados bons negócios", frisou. Encerrando os pronunciamentos, o secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Evandro Fontana, que esteve representando o Governador José Ivo Sartori, enalteceu a capacidade do evento de movimentar toda cadeia produtiva. "Muitas empresas de ponta estão aqui, e muitas delas são gaúchas. Nosso estado é o segundo do país em inovação, primeiro em patentes e terceiro em geração de empregos. Exportamos tecnologia", reforçou.

Celebrando os 20 anos do evento, 20 parceiros foram homenageados com a entrega de quadros. A Envase Brasil | Embala Sul seguiu até sexta-feira, 27, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, das 14h às 21h. A projeção é de que os 164 expositores registrem R$ 100 milhões em negócios, reunindo um público de 10 mil profissionais.

Um dia todo dedicado ao produtor - Primeiro dia da Envase Brasil contemplou programação voltada ao vinho colonial, queijo artesanal e azeite de oliva, além de Rodada de Negócios e Relacionamentos  -  É no campo que começa a cadeia produtiva de alimentos. Desde 2004, a Envase Brasil dedica boa parte de sua programação ao produtor. Nessas sete edições, mais de 5 mil agricultores de diversas regiões brasileiras participaram do Encontro Produtor, uma pauta especial organizada pelo evento com o objetivo de colocar na mesa as novidades do setor. Este ano, o foco foi triplo: vinho colonial, queijo artesanal e azeite de oliva, segmentos que têm conquistado boa parte da agenda da agricultura familiar no país.

Com programação simultânea, o Encontro Produtor contou com Mesa Redonda, apresentação de case, mostra e Rodada de Negócios e Relacionamentos. Latente na agricultura familiar, o tema 'Regulamentação do Vinho Colonial - Histórico, Registro e Declarações Vinícolas' reuniu mais de 50 agricultores no Auditório 1. O enólogo da Emater, Thompsson Benhur Didoné, foi um dos painelistas. Segundo ele, o Rio Grande do Sul possui 12 empresas regulamentadas, sendo oito vinícolas e quatro de derivados da uva. Outras 10 estão em processo de registro. "O IBGE afirma que mais de mil se declararam fabricantes de vinhos artesanais no Estado. Se conseguirmos chegar a 100 declarações este ano já estamos satisfeitos", afirma. Paralelamente, aconteceu no Auditório 2 a Mesa Redonda 'Queijos Artesanais Gaúchos: Cenário Atual. Tendências e Legislação'.

Degustando a Safra 2018 de azeite de oliva  -  No mesmo local, às 17h, foi apresentado o case de sucesso da Fazenda Irarema. O Mestre Lagareiro Moacir Carvalho falou sobre a produção de azeite de oliva em São Sebastião da Gama (MG). Com loja na própria fazenda, em Belo Horizonte, São Paulo, Ribeirão Preto e em Poços, a marca chega ao mercado em quatro versões: frutado, alecrim, manjericão e limão siciliano.

Após, foi a vez do Instituto Brasileiro da Olivicultura (Ibraoliva) apresentar a Mostra 'Salão do Azeite Gaúcho', onde o público teve a oportunidade de conhecer a Safra 2018, através da degustação das 20 marcas produzidas em 13 cidades do Rio Grande do Sul. O presidente da entidade, Eudes Marchetti, disse que a comercialização ganhou força em 2008. "No ano passado chegamos a 57 mil litros de azeite de oliva. Este ano, estamos perto de 60 mil litros, mas temos espaço para crescer". O Brasil produz 150 mil litros com presença em oito estados, que seguem por ordem de representatividade: RS, MG, SC, PR, SP, RJ, ES e BA. São 3.456 mil hectares em cultivo só no Estado, com destaque para a Serra Sudeste, responsável por 51,3% da produção gaúcha.

Meio milhão na Rodada de Negócios -  O Espaço Villa Bier foi ocupado pela Rodada de Negócios e Relacionamentos, realizada em parceria com o Sebrae-RS. Segundo o Gestor de Projetos do Sebrae, Gustavo Rech, 80 empresas participaram do projeto, resultando numa projeção de R$ 500 mil em negócios. "Cada rodada durou 10 minutos. O formato contemplou rodada de todas com todas empresas, aproximando organizações de pequeno, médio e grande porte", destaca. Para participar bastava ser dos setores de alimentos e bebidas.

Segundo dia abre com Conferência de Segurança de Alimentos  -  O segundo dia do evento contemplou as cervejas artesanais e a água mineral com a realização da 3ª Conferência de Segurança de Alimentos. Diversos painéis com especialistas no assunto debaterão sobre 'A Produção Legal de Cerveja Artesanal' no Auditório 1. A 'Diferenciação de Águas na Cadeia Produtiva da Água Mineral' será tema do Workshop ABINAM (Associação Brasileira de Indústria de Águas Minerais) | AGEDAM (Associação Gaúcha dos Envasadores de Água Mineral) no Auditório 2. Ambas agendas iniciam às 15h. O dia encerra no Espaço Villa Beer com o painel 'O Ano do Brew Pub no Brasil' com o presidente da Escola Superior de Cerveja Malte, Carlo Enrico Bressiani.

Foram quatro dias para que empresas fornecedoras, players setoriais, entidades e profissionais se relacionem com seus públicos-alvo, conhecendo as novidades e modernizando suas operações. "A oportunidade é única e se repete a cada dois anos. Reunimos expositores que apresentam lançamentos e inovações capazes de revolucionar processos, tornando as empresas muito mais competitivas", destacou o presidente da Envase Brasil | Embala Sul, Vicente Puerta.

O grande encontro de tecnologia da indústria de bebidas e de alimentos chega a sua 13ª edição em duas décadas de história. Na busca de soluções para inovar e crescer, 164 expositores tiveram cerca de 10 mil profissionais da cadeia produtiva dos setores envolvidos. A aproximação é feita pela Envase Brasil | Embala Sul, que projeta um volume de negócios na ordem de R$ 100 milhões, atraindo participantes internacionais. O evento começou hoje, 24, e finalizou na sexta-feira, 27, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves, sempre das 14h às 21h. Mais www.envasebrasil.com.br

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...