Melão é exportado para países da Europa, como Holanda, Inglaterra, Espanha e Itália

Praga quarentenária do meloeiro detectada no Brasil

Melon necrotic spot virus foi identificado em plantações nos Estados do Rio Grande do Norte e Ceará


Melon necrotic spot virus (MNSV) é um agente patogênico que afeta espécies da família das Cucurbitáceas, tais como melão, melancia, pepino, abóbora, entre outras, causando manchas necróticas nas folhas, caules e frutos. Geralmente, sua disseminação se dá através do fungo Olpidium bornovanus (=O.radicale). Esse fungo não está presente no Brasil, porém, independente da presença do vetor, MNSV pode infectar a planta através de mudas, ferramentas, sementes e solos contaminados, onde permanece viável por longo tempo.

Encontra-se presente em países da Ásia, Europa, América do Norte, América Central e América do Sul. No ano de 2001, foi relatado pela 1ª vez em cultivo de melão em Naju, uma cidade da província de Jeolla do Sul, na Coreia do Sul. Após a primeira ocorrência de MNSV em melão, espalhou-se mundialmente nas principais áreas de cultivo. Há casos de perdas de até 100% da produção.

Recentemente, estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal Rural do Semi-Árido identificaram MNSV no Brasil em campos de melão localizados nos Estados do Rio Grande do Norte e Ceará. A determinação da presença foi possível através de análises laboratoriais de amostras de solo - coletadas em 2012 - e a identificação do vírus foi feita por testes moleculares. Este é o 1° relatório sobre a ocorrência de MNSV no Brasil.

A incidência de pragas nas lavouras pode gerar grandes impactos econômicos nacionais tanto em relação ao mercado interno como ao mercado externo. Para ter ideia da importância da cultura para o Brasil, o país exportou cerca de 223,8 mil toneladas de melão (o que equivale a um valor superior a 154 milhões de dólares), sendo o nordeste a região de maior produção nacional, dando destaque ao Rio Grande do Norte e Ceará - responsáveis por aproximadamente 97% das exportações brasileiras [1]. Boa parte da exportação é destinada, principalmente, para os países da Europa, como Holanda, Inglaterra, Espanha e Itália.

Além disso, o vírus MNSV é categorizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como Praga Quarentenária Ausente [2] para o país - é praga quarentenária também para outros países, como por exemplo Israel [3] e Colômbia [4].

O diagnóstico é fundamental para condução de estudos na linha de contenção da praga e na elaboração de políticas públicas de vigilância e controle fitossanitário no país. Após a notificação, análise em laboratório de diagnóstico fitossanitário credenciado e confirmação oficial da entrada da praga, cabe ao MAPA determinar a área de ocorrência e o potencial da praga para que possa ser avaliado e apresentado planos de contingência exequíveis considerando os aspectos legais e normativos nacionais. * DefesaVegetal.Net

Nota:

[1] Figueirêdo et al. (2017)

[2] IN 41/2008

[3] EPPO

[4] ICA - Resolución 002895

Para saber mais:

Moura et al. (2018)

Foto:

Agriculture Victoria (xxxx)

Comentários

VEJA TAMBÉM...