Uva, pêssego e ameixa, principais frutas atingidas pelo granizo no RS

Vento e granizo na Serra causam estragos nas áreas urbana e rural

Propriedades em alguns municípios registram perdas totais na produção


Foto: Filipe Brogliatto/Rádio Solaris 99.1/CP

Municípios da Serra tiveram prejuízos com o temporal do final da noite da terça-feira e início da madrugada desta quarta, tanto na área urbana como na rural. Em São Marcos, segundo e a MetSul Meteorologia, rastro de árvores decepadas no interior do município sugere a passagem de um tornado na área. O secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Fabiano Varela, diz que toda a extensão do município foi atingida por granizo e vento forte. Ele explicou que na área rural as comunidades da Zambicari, Marechal Deodoro, São Luiz e Tuiuti foram as mais atingidas. "O vento foi mais intenso, parece que foi tornado quebrando várias árvores no meio. Estas comunidades estão isoladas. Não sabemos ainda em números, mas podemos afirmar que os danos na área agrícola serão grandes, principalmente na cultura da uva que estava iniciando a frutificação", destaca.

Na área urbana, segundo o secretário dos Serviços Públicos Urbanos, Vinicius Capeletti, os mais afetados foram os moradores dos loteamentos Colina Sorriso e Vida Nova e do bairro Henrique Pante. Casas foram destelhadas e alagadas. "Passamos a madrugada ajudando os moradores atingidos, oferecendo lona e colaborando no que era possível", relata.  Em Flores da Cunha, a prefeitura informou que a chuva seguida de vento na madrugada causou destelhamentos em mais de 100 casas no perímetro urbano e rural. Também foram registradas quedas de árvores e de postes. Grande parte da cidade ficou sem energia elétrica e contato telefônico até o início da tarde desta quarta. A Secretaria da Agricultura recebeu relatos de perdas totais em culturas como de uva, cebola, alho, pêssego, maça e ameixa. As comunidades mais atingidas são da região de Alfredo Chaves, Sete de Setembro, Monte Bérico, Nova Roma, Linha 100, São Paulo, Medianeira, Linha 40 e Travessão Martinho. Também o vento atingiu pelo menos quatro aviários na região de Alfredo Chaves. Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Flores da Cunha, Olis Schiavenin, os prejuízos ainda não foram estimados, mas, segundo ele, em algumas propriedades a perda da produção da uva foi de 100%.

Em Caxias do Sul, nas localidades de Fazenda Souza, Criúva e a Sexta Légua, tiveram casos em que produtores perderam toda safra de pêssego e ameixa. Em Nova Pádua, conforme o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Samoel Smiderle, os estragos causados pelo granizo ainda estão sendo calculados. Pomares de ameixa e pêssego, além de parreiras e lavoura de alho, foram atingidos. Ele estima que em algumas propriedades as perdas sejam de 100%.

No município de Farroupilha, o temporal causou prejuízos tanto na área urbana quanto no interior do município. Os bairros São Francisco, Industrial, Santo Antônio, Centro, Santa Catarina, principalmente, registraram destelhamentos e alagamentos. Em localidades como Linha Ely, Nova Milano, Linha Jacinto e Linha São João, árvores foram arrancadas, casas e galpões destelhados, postes de energia derrubados, e houve perdas como de parreiras e pomares de pêssego.

O temporal na região de Bento Gonçalves causou diversos danos, especialmente na agricultura. As localidades mais afetadas estão na parte Norte, como Tuiuty e São Valentim. Produtores relatam que tiveram mais de 60% das propriedades danificadas. Outro distrito afetado foi o de Faria Lemos, tanto na Linha Paulina quanto no Vale Aurora. Agricultores relatam perdas de até 50% com o granizo.

Na comunidade de Caravaggio, em Monte Belo do Sul, diversos parreirais ficaram danificados. Em Pinto Bandeira, produtores de uva, pêssego e ameixa tiveram perdas tanto no interior quando na cidade. Em Nova Roma do Sul, a produção teve 80% de perdas, principalmente com uva e pêssego, segundo levantamento preliminar da prefeitura.  O engenheiro agrônomo Emater/RS-Ascar Enio Todeschini diz que pelo menos 12 municípios da Serra tiveram prejuízos na agricultura e afirma que nunca havia visto extensão tão grande de estragos. Segundo ele, a Emater está fazendo o levantamento dos danos em cada município. O engenheiro Agrônomo salienta que agora os agricultores vão ter que tratar dos danos provocadas pelo granizo para que as plantas não morram nem sejam atingidas por doenças.

*Celso Sgorla/Correio do Povo

Comentários